Postagem em destaque

Cemitério dos Vivos - UFSC

https://www.literaturabrasileira.ufsc.br/documentos/?action=download&id=8447#segundaparte

Total de visualizações de página

quarta-feira, 18 de abril de 2012

Diálogo com a obra de Franz Kafka - A metamorfose

A metamorfose
Luis Fernando Verissimo


                    A barata acordou um dia e viu que tinha se transformado num ser humano. Começou a mexer suas patas e descobriu que só tinha quatro, que eram grandes e pesadas e de articulação difícil. Acionou suas antenas e não tinha mais antenas. Quis emitir um pequeno som de surpresa e, sem querer, deu um grunhido. As outras baratas fugiram aterrorizadas para trás do móvel. Ela quis segui-las, mas não coube atrás do móvel. O seu primeiro pensamento humano foi: que horror! Preciso me livrar dessas baratas!
Pensar, para a ex-barata, era uma novidade. Antigamente ela seguia o seu instinto. Agora precisava raciocinar. Fez uma espécie de manto da cortina da sala para cobrir sua nudez. Saiu pela casa, caminhando junto à parede, porque os hábitos morrem devagar. Encontrou um quarto, um armário, roupas de baixo, um vestido. Olhou-se no espelho e achou-se bonita. Para um ex-barata. Maquilou-se. Todas as baratas são iguais, mas uma mulher precisa realçar a sua personalidade. Adotou um nome: Vandirene. Mais tarde descobriu que só um nome não bastava. A que classe pertencia? Tinha educação? Referência? Conseguiu, a muito custo um emprego como faxineira. Sua experiência de barata lhe dava acesso à sujeiras mal suspeitadas, era uma boa faxineira.
Difícil era ser gente. As baratas comem o que encontram pela frente. Vandirene precisava comprar sua comida e o dinheiro não chegava. As baratas se acasalam num roçar de antenas, mas os seres humanos não. Se conhecem, namoram, brigam, fazem as pazes, resolvem se casar, hesitam. Será que o dinheiro vai dar? Conseguir casa, móveis, eletrodomésticos, roupa de cama, mesa e banho. A primeira noite. Vandirene e seu torneiro mecânico. Difícil. Você não sabe nada, bem? Como dizer que a virgindade é desconhecida entre as baratas? As preliminares, o nervosismo. Foi bom? Eu sei que não foi. Você não me ama. Se eu fosse alguém você me amaria. Vocês falam demais, disse Vandirene. Queria dizer vocês, os humanos, mas o marido não entendeu; pensou que era vocês,  os homens. Vandirene apanhou. O marido a ameaçou de morte. Vandirene não entendeu. O conceito de morte não existe entre as baratas. Vandirene não acreditou. Como é que alguém poderia viver sabendo que ia morrer?
Vandirene teve filhos. Lutou muito. Filas do INPS. Creches. Pouco leite. O marido desempregado. Finalmente, acertou na esportiva. Quase quatro milhões. Entre as baratas, ter ou não ter quatro milhões não faria diferença. A barata continuaria a ter o mesmo aspecto e a andar com o mesmo grupo. Mas Vandirene mudou. Empregou o dinheiro. Trocou de bairro. Comprou casa. Passou a se vestir bem, a comer e dar de comer de tudo, a cuidar onde colocava o pronome. Subiu de classe. (Entre as baratas, não existe o conceito de classe). Contratou babás e entrou na PUC. Começou a ler tudo o que podia. Sua maior preocupação era a morte. Ela ia morrer. Os filhos iam morrer. O marido ia morrer – não que ele fizesse falta. O mundo inteiro, um dia, ia desaparecer. O sol. O Universo. Tudo. Se espaço é o que existe entre a matéria, o que é que fica quando não há mais matéria? Como se chama a ausência do vazio? E o que será de mim quando não houver mais nem o nada? A angústia é desconhecida entre as baratas.
Vandirene acordou um dia e viu que tinha se transformado de novo numa barata. Seu penúltimo pensamento humano foi, meu Deus, a casa foi dedetizada há dois dias! Seu último pensamento humano foi para o seu dinheiro rendendo na financeira e o que o safado do marido, seu herdeiro legal, faria com tudo. Depois desceu pelo pé da cama e correu para trás de um móvel. Não pensava mais em nada. Era puro instinto. Morreu em cinco minutos, mas foram os cinco minutos mais felizes da sua vida. Kafka não significa nada para as baratas.


quarta-feira, 11 de abril de 2012

Dúvidas Ortográficas


Dúvidas Gramaticais


Dúvidas Ortográficas

Usos da letra “S
1) todas as formas do verbo por e do verbo querer são sempre grafadas com a letra “s”, mesmo que o som seja com "z", por exemplo:
Verbo por
Verbo querer
ele pôs / eu pus / pusemos / se ele puser
ele quis / eles quiseram / quando eles quiserem
2) os verbos derivados de substantivos cujo radical já possui a letra "s”
análise > analisar / paralisia > paralisar / aviso > avisar / piso > pisar
3) sufixos:
a) dos adjetivos indicativos de procedência – ense:
Paraná + ense > paranaense
b) dos adjetivos indicativos – oso:
teima + oso > teimoso
prazer + oso > prazeroso
c) dos adjetivos pátrios e com ideia de participação - es e esa:
burgo >burguês > burguesa
campo>camponês > camponesa
d) na formação do feminino de vários substantivos – esa:
príncipe > princesa
barão > baronesa
duque > duquesa
e) sufixo isa:
sacerdote > sacerdotisa
poeta > poetisa
f) sufixos de origem grega como ase, ese ise, ose:
catequese / ênclise / osmose / metamorfose
4) no final de sílabas iniciais ou interiores de algumas palavras (quando não for precedido da vogal "e"):
misto / mistura / justaposição
5) em substantivos derivados de verbos com terminação emter / dir/ der:
prender > pre + esa > presa
defender > defe+ esa > defesa
pretender > preten + são > pretensão
compreender > compreen+são > compreensão
distender > disten+ são > distensão
estender > exten+são > extensão
ascender > ascen+são > ascensão
inverter > inver+são > inversão
expandir > expan+são > expansão
6) em substantivos derivados de verbos com terminação emgir
emergir > emer+ são > emersão
espargir > espar+so (adjetivo) > esparso
submergir > submer+so (adjetivo) > submerso
convergir > conver+são > conversão
7) em substantivos derivados de verbos que se formaram pelo conjunto das letras pel:
impelir > impulso > impulsão
expelir > expulso > expulsão
repelir > repulso > repulsão
pulso > pulsão
8) em substantivos derivados de verbos com cor(transforma-se em cur):
correr > curso > cursivo
incorrer > incursão > excursão
9) os substantivos derivados de verbo com sent (transforma-se em sens):
sentir > senso > sensível
consentir > consenso
Usos da letra do dígrafo "ss"
(dígrafo são duas letras com um único som)
1) nos verbos com terminação em ter / tir / dir/ der / mir:
aceder > acessível
admitir > admissível
agredir > agressão
ceder > cessão
2) quando o prefixo termina em vogal + verbo que começa em "s":
re+surgir > ressurgir
pre+sentir > pressentir
a+sossegar > assossegar
3) com o sufixo íssimo (superlativo):
caro + íssimo > caríssimo
digno + íssimo > digníssimo
excelente + íssimo > excelentíssimo
Usos da letra "Ç"
1) nos substantivos derivados de verbos com terminação ter, ir, er, mir (a terminação permanece, mas perdem o "r” e, em muitos casos, ganham "m”):
Abster > abs-ten- ção > abstenção
ater > aten-ção > atenção
conter > con-ten-ção > contenção
deter > de-ten-ção > detenção
extinguir > extin-ção > extinção
obter > obten-ção > obtenção
Observação: remir > remição = resgatar, liberar >>> diferente da homófona <<< remir > remissão = resistência, indulgência
2) quando o verbo termina em "ar" o substantivo se escreve com "ç":
falar> falação
reputar > reputação
importar > importação
divulgar > divulgação
adotar > adoção
3) em todos os vocábulos de origem tupi ou africana:
paçoca / miçanga / araçá / Iguaçu / caçula
4) em todos os vocábulos de origem árabe:
açúcar / açucena / açafrão / muçulmano
5) quando houver sufixos nominais (próprios dos substantivos) com terminação: aça, aço, iça, uça, uso e anca:
barcaça / ricaço / sumiço / armação / fiança / convalescença
6) quando o "t" substituído por "c" ou por "ç":
absorto > absorção
alto > alçar > realçar
ato > ação > acionar
canto > canção
executar > execução
relatar > relação > relacionar
torto - torção - distorção – contorção
Observação: extorsão
O dígrafo "sc"
Usado em termos eruditos, enquanto a letra "c" é usada nas formas populares e nas formações comuns:
Formas populares:
conhecer / falecer / parecer / amadurecer
Formas eruditas 
(muitas palavras permaneceram com o modo erudito de grafia)
intumescer / convalescer / rescindir / abscesso / acrescentar / acréscimo / adolescência / ascensão / ascendente / consciência / crescer / nascer
Usos da letra "x"
1) com som de "s":
aproximar / auxílio / contexto / expectativa / explanar / expiar / explicar / têxtil / inexperiência
2) com som de "z":
exagero / exames / exato / exemplo / exausto / exaurir / execução / executar / exigir / inexato / êxodo / exótico
3) com som de "ks":
anexo / asfixiar / complexo / conexo / crucifixo / dislexia / léxico / perplexo / tóxico
4) com som de "ch":
caixa / desleixado / elixir / enxergar / enxugar / mexer / paixão / lixo / luxúria / praxe / taxa / relaxar / vexame / taxativo / rixa
5) grafado com "xc", mas com som de “s”:
exceção / excelência / excedente / exceto / excitação
Usos da letra "z"
1) com os sufixos:
a) "ez" "eza" na formação de substantivos abstratos:
altivo > altivez
macio > maciez
belo > beleza
surdo > surdez
singelo - singeleza
b) "izar" na formação de verbos e substantivos
fiscalizar > fiscalização
organizar > organização
colonizar > colonização
humanizar > humanização
valorizar > valorização
Observação: 
sem o sufixo "izar", o verbo pode ser com "s" ou com "z"
pesquisa > pesquisar
aviso > avisar
juízo > ajuizar etc.
2) temos "z" nas terminações az, ez, iz, oz e uz:
capaz / faz / traz / feliz / atriz / foz / luz /cruz
3) nos diminutivos e derivados que apresentam uma consoante de ligação, a consoante é representada pela letra"z”:
pai+inho > paizinho (diminutivo)
rei+inho > reizinho (diminutivo)
café > cafezal (palavra derivada)
Observação: quando a palavra de base termina em "s", essa letra se mantém:
lapis+inho > lapisinho
chinês > chinesinho
sisudo
mesa > mesinha > mesada
4) palavras com a consoante “c” entre vogais:
ácido – azedo
cimo- dezena
5) palavras com a terminação "triz":
atriz / diretriz / embaixatriz / matriz
6) palavras de origem árabe:
azar / azeite / chafariz / algoz
7) derivados que na base já se escreve a letra "z":
baliza > balizado
raiz > enraizar
razão > arrazoar
jazer > jazigo
Usos da letra “j”
1) em palavras de origem latina:
jeito / majestade / hoje / cerejeira
2) em palavras de origem tupi-guarani, africana ou árabe:
jibóia / jirau / alforje
3) nas formas derivadas em que já existe a letra “j”:
lison ja > lisonjear
loja > lojista
pegajosos
rijeza > rijo
4) nas terminações "age":
laje / traje / ultraje
5) vocábulos com “j”:
adjetivo / objeção / berinjela / objetivo / projeção / ojeriza / pajé / injeção / cafajeste / hoje / jibóia
Usos da letra “g”
1) em palavras de origem latina ou grega que já possuíam a letra “g”:
agir / falange / frigir / gesto / tigela
2) em palavras de origem árabe que já possuíam o “g”:
ál gebra / ginete / girafa / giz
3) nas terminações: agem, igem, egem, ugem, ege e oge:
malandragem / vertigem / ferrugem / herege /
Exceções: laje
4) nas terminações: ágio, égio, igio, ógio e úgio:
estágio / relógio / refúgio
5) nos verbos terminados em ger e gir:
eleger / proteger / fingir
6) depois da letra "r" antes:
submergir / divergir
Exceções : palavras que já tenham o "j" no radical, ex: alforje
7) derivadas de outras palavras que se escrevem com a letra"g":
fugir = afugentar
ferrugem = ferrugento
Exceções: rijo = rígido = rigidez
8) palavras que iniciam com a letra “a”:
ág
il - agente - agitar - aborígine, argila
Usos da letra "h"
(essa letra não representa fonema, não tem um som determinado)
1) no início da palavra:
herói / hipótese / homem
2) no início ou no final das interjeições:
ah! / hein! / oh! / bah!
3) no interior de palavras integrando um dígrafo (duas letras que produzem apenas um som):
chá / chuva
~~~~~~~~~~~~
Colaboração:
Consultoria Acadêmica

Descrição: rss